domingo, 20 de junho de 2010

PORQUE É TÃO IMPORTANTE A SAÚDE FÍSICA E MENTAL NAS ORGANIZAÇÕES?

QUALIDADE DE VIDA E PROMOÇÃO DA SÁUDE: QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA EMPRESARIAL

Assim, como o Empowerment, a Gestão do conhecimento, a Gestão por Competência, e outros importantes instrumentos de gestão empresarial, a PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO estão se incorporando ao cotidiano organizacional como um dos mais importantes recursos de gestão de pessoas. Desnecessário dizer que, gestão de pessoas, nesta era do conhecimento, tornou-se a espinha dorsal de qualquer empresa que quer manter-se competitiva.

O conhecimento vem se constituindo no maior ativo da maioria das empresas, sendo que se encararmos o Capital Intelectual como o mapa do tesouro, pode considerar que o tesouro são as pessoas que detém o conhecimento. Lógica simples: investir na totalidade e de maneira integral nas pessoas é o pulo do gato para uma gestão empresarial de sucesso. Mesmo, as empresas de produção têm constatado que, promover qualidade de vida, em geral, para seus funcionários, é um meio para diminuir turnover e sinistralidade, e consequentes gastos com treinamento de novos funcionários e com os planos de saúde.

Há algum tempo, a promoção de saúde e qualidade de vida no trabalho, já deixaram de ser encaradas, apenas, como benefícios, filantropia ou peças de marketing, para entrar na categoria de política prioritária de gestão empresarial e como ação estratégica para a melhoria da qualidade nos processos de trabalho, para o aumento de produtividade e para a concretização de metas e resultados.

Naturalmente, muitas empresas, ainda não incorporaram, para valer, este novo instrumento de gestão empresarial. Muitos administradores ainda são refratários à idéia. As razões são muitas. Uma delas reside no fato de que estes empresários ainda classificam estas estratégias como despesas, e não investimento. Alguns outros, simplesmente, por não terem despertado para a importância disso na melhoria dos seus indicadores de produtividade, qualidade de produtos e serviços, etc.

Quanto às empresas que adotaram esta estratégia, pode se dizer, numa avaliação bem realista, que não se tratou, exatamente, de uma ação radical de responsabilidade social ou de um salto na direção de uma revolucionária ação de gestão mais humanitária nas organizações. A grande maioria, simplesmente, o fez, por inteligência, “esperteza” e competência empresarial. Embora existam empresários que compartilham e praticam uma visão mais humanitária nas relações de trabalho, boa parte das empresas optaram por desenvolver Programas de Qualidade de Vida no Trabalho (PQVT), ao constatarem, e se convencerem que, assim, se obtinha um maior aproveitamento da capacidade produtiva de cada colaborador.

O importante é a constatação de que todos os segmentos envolvidos na vida de uma organização, desde colaboradores e seus dependentes, passando pela direção, clientes externos, acionistas, até comunidades externas que faceiam com a empresa, estão se beneficiando desta nova política. Ao promover uma melhoria do bem estar geral dentro da organização, através da promoção da qualidade de vida no ambiente de trabalho e na vida pessoal dos seus funcionários, as empresas têm obtido deles, em contrapartida, mais adesão, mais produtividade, melhoria na qualidade

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT), COM FOCO EM SAÚDE EMOCIONAL.

SEM SÁUDE EMOCIONAL, QUE É A CAPACIDADE DE GERENCIARMOS E MANTERMOS AS EMOÇÕES E SENTIMENTOS QUE NOS FAZEM SENTIR BEM, FICA DIFICIL CONCEBER UM AMBIENTE CORPORATIVO SAUDÁVEL E QUE POSSA PRODUZIR BEM ESTAR E QUALIDADE DE VIDA PARA TODOS QUE CONVIVEM E DIVIDEM O COTIDIANO ORGANIZACIONAL.

SAÚDE EMOCIONAL é gênero de primeira necessidade para as pessoas que estão vivendo este momento tão tumultuado de mudanças, ajustes e adaptações que o mundo, em permanente transformação, vem impondo a nosso cotidiano, seja na vida profissional ou pessoal. Nestes tempos tão desestruturantes e desafiadores, não podemos nos dar ao luxo de perder nosso equilíbrio emocional. Sem ele tudo fica mais difícil. SAÚDE EMOCIONAL é uma garantia adicional, imprescindível, de que nossas decisões serão mais sensatas, acertadas e sábias.

Não há decisão que não envolva racionalidade e emoção, razão e coração, funções do hemisfério esquerdo e direito do cérebro. Mesmo que não queiramos, ou não saibamos, sempre haverá um componente emocional em nossas decisões. Como profissionais, seja CEO, diretores, gerentes, supervisores e colaboradores de um modo em geral, sempre precisaremos ter contato com nossos conteúdos emocionais, saber identificá-los, estimar com qual intensidade nos afeta, como afeta o outro, enfim saber gerenciá-los, conciliando seu direito de existência com a devida adequação em vivenciá-los e expressá-las.

As emoções e sentimentos são o verdadeiro tempero da vida. Assim como qualquer tempero, de menos, deixa a vida sem graça, com excesso de racionalidade nos torna mambembes e atrofiados ao que se refere a uma vida plena. Ou ainda, se abafá-los, pode-se perder o tônus emocional e produzir distimias ou depressão. Demais, faz a vida adquirir temperatura exagerada, com emoções a flor da pele, adrenalina saindo pelos poros, acelerando nosso ritmo de vida, nos estressando, estressando os outros e inviabilizando aquela cota mínima de serenidade, tão necessária para atravessar as águas turbulentas dos cotidianos urbanos ou corporativos a que somos submetidos.

O que é SAÚDE EMOCIONAL? Provavelmente temos diversas definições e todas se completam. Uma definição pode ser essa: é a capacidade de termos acesso às nossas emoções, sabendo identificá-las e gerenciá-las de uma forma que componham e contribuam para nossas boas decisões e para a percepção de um bem estar geral e satisfatório de vida. Outra boa definição, bem mais simples, é aquela que diz que SAÚDE EMOCIONAL é cultivar os sentimentos e emoções que nos fazem sentir bem, sem que alguém se prejudique com isso.

Mas enfim, nos tempos atuais, principalmente no meio corporativo, onde se persegue tanto um estado de bem estar organizacional, não se deveria pensar ou conceber QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT) sem incluirmos ou se negligenciarmos a SAÚDE EMOCIONAL. Diríamos que, como os fatores de riscos físicos, ergonômicos, bioquímicos, etc. já estão bem controlados, é na insalubridade psicológica dos ambientes corporativos que encontramos o grande desafio para se conquistar um conceito mais abrangente de QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT).

CIPA

COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÕES DE ACIDENTES
A comissão Interna de Prevêncão de Acidentes (CIPA) é, segundo a legislação brasileira, uma comissão constituida por representantes indicados pelo empregador e membros eleitos pelos trabalhadores, de forma paritária, em cada estabelecimento da empresa, que tem a finalidade de previnir acidentes e doenças decorrentes do trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador.

ATUAÇÃO
O objetivo da CIPA É "observar e relatar as condições de risco nos ambientes de trabalho e solicitar medidas para reduzir até eliminar os riscos existentes e/ou neutralizar os mesmos.." Sua missão é, portanto, a preservação da saúde e integridade física dos trabalhadores.
Seu papel mais importante é o de estabelecer uma relação de diálogo e conscientização, de forma criativa e participativa, entre gerentes e empregados, em relação à forma como os trabalhos são realizados, objetivando sempre melhorar as condições de trabalho, visando a humanização do trabalho. Não obstante, CIPA é um orgão supracorporativo e independente, não subordinado a nenhuma área da empresa nem a nenhum funcionário desta.

GARANTIA DE EMPREGO
A consolidação das leis do trabalho e a Constituição Federal brasileira garantem aos membros da CIPA eleitos (os representantes dos empregados) dois anos de estabilidade no emprego, durante os quais só poderão ser desligados através de demissão por justa causa. O período de estabilidade, na verdade, tem uma duração um pouco maior do que dois anos: vai do momento de registro da candidatura do empregado à CIPA até um ano após o término do seu mandato.
Hoje é reconhecida também a estabilidade do suplente eleito, conseguida através da Jurisprudência.

Ergonomia é Saúde do Trabalhador

Ergonomia: a ciência de projetar o trabalho, os equipamentos e local de trabalho para adequá-lo ao trabalhador.

video

SUPERAÇÃO - TRANSFORMANDO CONHECIMENTO TÁCITO EM EXPLICITO

SUPERAÇÃO "Vencer, dominar, sobrelevar-se, exceder-se; ser superior a sí mesmo"

Nossa equipe realizou varias pesquisas sobre a saúde do trabalhador, sobre as reais situações nas organizações, e também os resultados obtidos. Verificamos que hoje, algumas empresas investem na qualidade de vida de seus colaboradores, tentam aplicar a gestão do conhecimento, levando informação e conscientização, mudando até sua cultura, mas fortificando seus valores.
Embora a saúde e segurança plena seja intangível, verificamos que é possivel minimizar os riscos e melhorar qualidade de vida das pessoas. Portanto investir em saúde é obter melhores resultados na produção, é reduzir as despesas com doenças e afastamentos, é minimizar os indíces de absenteísmo, enfim, no desenvolvimento organizacional.
Escolhemos esse nome por acreditar que o conhecimento aplicado transforma, e essa transformação gera resultados progressivos, superando sempre os os resultados antecedentes.

SAÚDE DO TRABALHADOR - APLICAÇÃO DE CONHECIMENTOS, SUPERAÇÃO NOS RESULTADOS.

EQUIPE SUPERAÇÃO 13/06/10 Creuzenir, Camila, Lucilene, Maria Erineuda, Murio Nestor, Sérgio Lopes, Tânia.

sábado, 19 de junho de 2010

ALGUMAS DOENÇAS CAUSADAS AO TRABALHADOR

A DIFERENÇA ENTRE LER E DORT
LER é a desiginação de qualquer doença causada por esforço repetitivo, enquanto DORT é o nome dado as doenças causadas pelo trabalho. Alguns especialistas e entidades preferem atualmente denomimar LER por DORT ou ainda LER/DORT.


TENOSSINOVITE
A tenossinovite surge do atrito excessivo do tendão que liga o músculo ao osso. Esse tendão é protegido por uma bainha que é sempre cheia de um liquido. Estes movimentos é que provocam a inflamação do tendão, causando a doença. Os trabalhos em locais de baixa temperatura e esforços de peso acima dos seis quilos também podem causar o problema.

TENDINITE
Como diz o nome é uma inflamação nos tendões. Existem vários tipos de inflamações prejudiciais, sendo as que mais atacam são a própria tendinite, a tenossivite e a sindrome do túnel de carpo. A tendinite é a inflamações nos tendões, tenossivite é a inflamação nas bainhas dos tendões, estrutura que envolve os tendões, por onde estes deslizam e se nutrem. E a sindrome do túnel de carpo é uma pressão causada no túnel com esse nome, decorrente, não necessariamente, de uma inflamação dentro ou fora dele. Esse túnel encontra-se entre o pulso e a palma da mão. Dentro, passam tendões e nervos, os quais são comprimidos quando há problemas, causando dor intensa, falta de reflexo, podendo afetar o sistema nervoso da pessoa.

BURSITE
A bursite é a inflamação de uma bolsa sinovial, um saco membranoso revestidos por células endotélias. Ela pode ou não se comunicar com as membranas sinoviais das articulações. A função desta bolsa é evitar o atrito entre duas estruturas (por exemplo, tendão e osso ou tendão e músculo) ou proteger as proeminências ósseas. As bursas estão localizadas próximas as articulações. Qualquer processo inflamatório nestes tecidos moles será percebido frequentemente por pacientes como dor na articulação e, equivocadamente com artrite.

SÉRGIO LOPES 12/06/10

quinta-feira, 17 de junho de 2010

CONHEÇA ALGUMAS NORMAS E REGULAMENTOS REFERENTE A SAUDE E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR

ASO (Atestado de Saúde Ocupacional).
Admissional
Periódico
Mudança de Função
Retorno ao Trabalho
Demissional
Complementares
Avaliação Auditiva (Audiometria Tonal, Qualidade Vocal)
Eletrocardiograma
Eletroencefalograma
Espirometria
Laboratorial
Oftalmológico
Radiológico
Toxicológico

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Mapa de Riscos.
P.P.P (Perfil Profissiográfico Previdenciário).
L.T.C.A.T (Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho).
NR-7 P.C.M.S.O (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).
NR-9 P.P.R.A (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais).
NR-10 Laudo Elétrico.
NR-17 Laudo Ergonômico.
NR-18 P.C.M.A.T (Programa de Controle do Meio Ambiente de Trabalho).
Assistência na Liberação do Corpo de Bombeiros.
Laudo de Insalubridade e Periculosidade.
PPRPS (Programa de Prevenção de Riscos em Prensas e Similares).
Laudos de Vasos Compressores.
Assessoria em Meio Ambiente.

SEGURANÇA DO TRABALHO (EMPRESAS ESPECIALIZADAS)
Atuam integrando à área de Higiene e Saúde Ocupacional, com uma qualificada equipe de Engenheiros e Técnicos de Segurança no Trabalho.
Disponibilizam serviços especializados, para que as empresas atendam plenamente o que é estabelecido pela legislação de saúde, previdenciária e trabalhista.
Possuem avançados recursos tecnológicos para avaliação ambiental, solucionando os mais variados problemas de Segurança no trabalho.

Alguns de serviços prestados por essas empresas:

PPRA - Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais - NR9
O PPRA é o programa mestre da área de segurança do trabalho cuja elaboração e implantação são obrigatórias a todas empresas. O PPRA visa à preservação da saúde e da integridade dos Trabalhadores.
Após identificarem os potenciais riscos existentes na empresa procedem à avaliação dos fatores de risco e indicam as medidas de controles necessárias.
PCMAT - Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção Civil– NR 18
É obrigatório às empresas de construção civil com mais de 20 (vinte) trabalhadores, complementando o PPRA.

NR 10 - Instações e Serviços em Eletricidade
Implantação e manutenção dos requisitos exigidos às empresas que trabalham com eletricidade, em qualquer das fases de geração, transmissão, distribuição e consumo de energia elétrica. Treinamos os empregados ou contratados de acordo com a NR 10.

NR 17 - Análise Ergonômica do trabalho
Assim como o PPRA e o PCMSO a legislação estabelece na NR 17 a obrigatoriedade das empresas realizarem a análise ergonômica do trabalho.
O objetivo é avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, reduzindo ou eliminando doenças como as DORT/LER, dores cervicais, lombalgias e outras, contribuindo para melhoria da produtividade e qualidade de vida no ambiente de trabalho.

NR 5 - Implantação, treinamento e apoio à CIPA
Suporte logístico e técnico para a criação e manutenção da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA. A consultoria vai desde a convocação para a eleição de seus membros até a posse dos eleitos e instalação da nova CIPA, que deve ser feita anualmente. Oferecemos suporte aos representantes do empregador e da empresa no funcionamento da CIPA, em especial ao seu Presidente.

Treinamento dos CIPISTAS
Conhecimento necessário para o treinamento dos membros titulares e suplentes da CIPA, que é obrigatório a cada nova gestão, disponibilizando aos clientes cursos rigorosamente de acordo com a NR 5.
O Mapa de Risco é outra exigência da NR 5 e que deve ser realizado pelos membros da CIPA com o apoio dos profissionais técnicos . Este mapa deve estar alinhado com o PPRA.

NR 33 - Espaço Confinado
Implementa os itens de responsabilidade da empresa descritos na NR 33, que se refere aos trabalhos executados em espaços confinados, identificando os riscos específicos, garantindo a capacitação dos trabalhadores sobre os riscos, as medidas de controle, emergência e salvamento em espaços confinados
.
LTCAT - Laudo Técnico das Condições Ambientais ou Laudo Técnico de Demonstração Ambiental – PPRA - DA
Documento previsto na legislação previdenciária que dá suporte ao recolhimento ou não de alíquotas para o financiamento das aposentadorias especiais.

PPP - Perfil Profissiográfico Previdenciário
Formulário que contêm todas as informações relativas ao empregado, atividade exercida, agentes nocivos ao qual é exposto, além de dados referentes à empresa. Deve ser feito pelas empresas que exercem atividades onde existe exposição de pessoas a agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou integridade física (origem da concessão de aposentadoria especial após 15, 20 ou 25 anos de contribuição).

LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE
De acordo com o previsto nas NR´s 15 e 16 realiza perícias para descaracterizar ou caracterizar as atividades desenvolvidas pela empresa como insalubres ou periculosas.

Murilo França 13/06/2010